domingo, 17 de junho de 2012

O VALOR DO SORRISO


   “ Um sorriso nada custa, mas vale muito e muito.
   Enriquece quem o ganha e quem o dá não fica pobre.
   Dura apenas um instante, mas pode, na lembrança, durar eternamente.
   Ninguém é rico assim que o possa desprezar, nem é tão pobre não o possa dar.
   Traz ao lar felicidade; nos negócios é esteio e é a prova mais palpável de uma profunda amizade.
   Um sorriso dá repouso a quem se acha cansado e a quem está desanimado dá nova força e coragem; consola na tristeza e em todas as nossas penas é o mais caseiro remédio.
  Ninguém o compra, nem empresta, nem o rouba, pois só vale no instante em que o damos livremente.
   E, se um dia encontrardes quem vos negue o seu sorriso, dai-lhe generoso o vosso, pois ninguém precisa tanto do conforto de um sorriso, como aquele pobrezinho que fechado em si, sozinho, não aprendeu a dá-lo.”

Pe. Glauco S.J

"OI JESUS, EU SOU O ZÉ"



Cada dia, ao meio dia, um pobre velho entrava na igreja, e poucos minutos depois saía. Um dia o sacristão lhe perguntou o que fazia, (pois havia objetos de valor na igreja). - Venho rezar - respondeu o velho. Mas é estranho - disse o sacristão - que você consiga rezar tão depressa. Bem - retrucou o velho - eu não sei recitar aquelas orações compridas, mas todo dia ao meio dia eu entro na igreja e só falo: ”Oi Jesus, Eu Sou o Zé, vim te visitar”. Num minuto e já estou de saída. É só uma oraçãozinha mas tenho certeza de que Ele me houve. 
   Alguns dias depois, o Zé sofreu um acidente e foi internado em um hospital, e na enfermaria, passou a exercer influência sobre todos os doentes, os mais tristes se tornaram alegres, muitas risadas passaram a ser ouvidas.
   Zé - disse-lhe uma Irmã - os outros doentes dizem que você está sempre tão alegre... - É verdade Irmã, estou sempre tão alegre por causa daquela  visita. Já tinha notado que a cadeira encostada na cama do Zé estava sempre vazia. O Zé era um velho solitário e não tinha ninguém. Que visita? A que hora? - peguntou. E, o Zé, respondeu: Todos os dias ao meio dia. Ele vem ficar ao pé da cama. Quando olho para Ele, Ele sorri e diz: Oi Zé, Eu Sou Jesus, eu vim te visitar.

SUGESTÃO DE LEITURA - 2012

De Roger Feraudy
  • ERG O DÉCIMO PLANETA
  • BARATZIL, A TERRA DAS ESTRELAS
  • A TERRA DAS ARARAS VERMELHAS
De Maria Teodora Ribeiro Guimarães
  • A FLOR DE LIS, UMA FÁBULA MODERNA
  • O CONTADOR DE HISTÓRIAS, JOÃO SÓ E A ROSA AZUL
  • UM ANJO ESTÁ NAS RUAS, NÃO ESTAMOS SÓS
  • O JARDINEIRO
De Allan Kardek
  • A GÊNESES
  • O LIVRO DOS ESPÍRITOS
  • O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO

...divirta-se e boa leitura...



DOENÇAS CÁRMICAS E NÃO CÁRMICAS



TIPOS DE DOENÇAS

Doenças Cármicas: também chamadas de doenças redentoras, são aquelas doenças com as quais nascemos. Nossos defeitos, aqueles guardados em nossa alma, geram uma energia negativa para o espírito reencarnante. Se não drenarmos essa energia numa vida, na seguinte, na fase pré-reencarnatória, quando o espírito vai se acoplar ao ovo, ele passa para o cromossomo essas energias, que se transformam. É como se ficasse então impresso no cromossomo o aprendizado que queremos ou precisamos fazer.
Algumas pessoas podem achar estranha a palavra aprendizado, pois muitos gostam de achar que carma é um resgate. Todavia, por considerarmos nosso carma justamente as condições de nosso nascimento, e nisso incluímos não apenas nossas condições físicas e intelectuais, mas também a social trata-se apenas de uma oportunidade de aprendizado, da qual se pode tirar ou não bom proveito.
Depende, nesses casos, geralmente, de resignação e vontade de seguir adiante. Na maioria das vezes podemos de alguma forma, modificar, transformar ou ao menos minimizar nosso carma através do aprendizado. O primeiro passo seria talvez compreender qual seria o aprendizado necessário para cada espírito.
Trata-se, via de regra, nos casos mais graves, de espíritos corajosos que desejam crescer de forma acelerada, ao contrário da maioria mais ou menos preguiçosa do resto da humanidade. Muita gente costuma torcer o nariz, até com certo desprezo, frente à pessoas com grandes e evidentes problemas cármicos, justamente por achar que são grandes devedores. Ora devedores somos todos nós e, por isso mesmo, deveríamos ter admiração e respeito por essas pessoas.

Doenças não cármicas: são aquelas doenças adquiridas no decorrer da vida atual. Nossas emoções negativas, aquelas contidas em nossas irritações, movimentam energias, que por sua vez geram fluidos irritantes que se aderem ao períspirito formando pústulas de magnetismo tóxico.
Quando há uma saturação elas fluem para o corpo denso através do duplo etérico, que é como uma válvula de escape para o expurgo dessas pústulas. São as chamadas cartas na manga. Aquele empurrão para o impulso do bem que a parte divina e sábia de nosso espírito guardou para uma necessidade, já nos conhece de longa data.
O períspirito funciona como um molde para o corpo denso e ele fica saturado e adoece. 

RESUMINDO:
1º Defeitos não resolvidos, que são as tendências negativas carregadas na alma que não geraram carma, mas nos fragilizaram no dia a dia.
2º Períspirito absorve as energias negativas através do duplo etérico.
3º Corpo denso adoece.

ALGUNS EXEMPLOS DE DEFEITOS QUE GERAM DOENÇAS:
  • SARCASMO___________________________CISTOS
  • INVEJA____________DOENÇAS DE PARTES MOLES
  • LUXURIA______________PARALISIAS/PARESTESIAS
  • CIÚMES_______ESCLEROSES/PROBLEMAS ÓSSEOS
  • EGOISMO_______INFECÇÕES/INFLAMAÇÕES/DOENÇA VASCULAR
  • MALEDICÊNCIA______________CÂNCER/TUMORES
  • IRA/RAIVA_______________________ULCERAÇÕES
  • ÓDIO__________________________HEMORRAGIAS         

E POR QUE ISSO ACONTECE?
Porque os conteúdos energéticos permanecem atuantes e potentes independentemente do tempo, formando no espírito núcleos calcificado de energia negativa. As dores têm vibrações altissonantes que desalojam os blocos energéticos e os escoam para fora da alma na forma de doenças.

ORAI E VIGIAI !

JORNAL DA FRATERNIDADE

EDITORIAL MAIO - JUNHO - JULHO. 2012

          Algumas pessoas têm procurado a Casa Senhora do Carmo com demandas pertinentes ao tema doença.
O que significa a doença no contexto dos resgates? Por que nascem crianças com doenças? Enfim, atentos ao tema, fomos buscar em alguns autores as respostas sobre doenças.
Portanto, resolvemos copilar, aqui, alguns trechos do livro de Maria Teodora Ribeiro Guimarães, baseado nos estudos de Roger Feraudy intitulado “UMBANDA UM NOVO OLHAR’ da Editora do Conhecimento 2011 Primeira Edição”. Ei-lo:
“Saúde: estado igual ao estado ao estado da alegria. Alegria por sua vez, ao contrário do que se pensa, se compõe de dois elementos, que são fé e resignação. Poderíamos definir esses dois elementos da seguinte forma: FÉ: é a capacidade de compreender que tudo aquilo que acontece para nós é o que é melhor para nós naquele momento. RESIGNAÇÃO: é a capacidade de compreender que nem tudo pode ser do nosso jeito.
Desta maneira começamos a ver as vicissitudes e adversidades da vida não mais como problemas e sim como oportunidades de aprendizagem, na medida em que todos nós, como já foi visto, viemos para aprender alguma coisa no sentido de nosso crescimento espiritual.
Viemos nesta vida, entre outras coisas, para aprendermos a ser menos egoístas, miseráveis, invejosos, melindrosos, prepotentes, mandões, orgulhosos, sedutores, vitimizados, preguiçosos, etc., etc. Além disso, não podemos descuidar de como reagimos quando somos confrontados pela vida e nossos desejos ou opiniões. Estamos sempre aborrecidos porque parece que a vida e as pessoas nunca atendem mesmo as nossas expectativas. Esquecemos, todavia, que nem as pessoas e nem a vida estão aí para isso.
Desta forma, se pudermos compreender a razão de nossas dores se tiver mais fé e mais resignação frente às vicissitudes e contrariedades, podemos voltar a ficar alegre, o que nos leva para o estado de saúde espiritual e, por consequência, física. Estaremos entrando num processo de desintoxicação espiritual, liberando as energias negativas represadas na alma, sem a necessidade da dor para nos ajudar.
Estes ensinamentos devem ser repassados a todos que o necessitarem, na medida do entendimento de cada um, pois nenhuma cura acontecerá fora dessas premissas. Os médiuns e o trabalho de cura apenas apontam caminhos, ensinam e equilibram a pessoa na medida do possível. 
Já, a cura, depende de cada um.