domingo, 17 de junho de 2012

JORNAL DA FRATERNIDADE

EDITORIAL MAIO - JUNHO - JULHO. 2012

          Algumas pessoas têm procurado a Casa Senhora do Carmo com demandas pertinentes ao tema doença.
O que significa a doença no contexto dos resgates? Por que nascem crianças com doenças? Enfim, atentos ao tema, fomos buscar em alguns autores as respostas sobre doenças.
Portanto, resolvemos copilar, aqui, alguns trechos do livro de Maria Teodora Ribeiro Guimarães, baseado nos estudos de Roger Feraudy intitulado “UMBANDA UM NOVO OLHAR’ da Editora do Conhecimento 2011 Primeira Edição”. Ei-lo:
“Saúde: estado igual ao estado ao estado da alegria. Alegria por sua vez, ao contrário do que se pensa, se compõe de dois elementos, que são fé e resignação. Poderíamos definir esses dois elementos da seguinte forma: FÉ: é a capacidade de compreender que tudo aquilo que acontece para nós é o que é melhor para nós naquele momento. RESIGNAÇÃO: é a capacidade de compreender que nem tudo pode ser do nosso jeito.
Desta maneira começamos a ver as vicissitudes e adversidades da vida não mais como problemas e sim como oportunidades de aprendizagem, na medida em que todos nós, como já foi visto, viemos para aprender alguma coisa no sentido de nosso crescimento espiritual.
Viemos nesta vida, entre outras coisas, para aprendermos a ser menos egoístas, miseráveis, invejosos, melindrosos, prepotentes, mandões, orgulhosos, sedutores, vitimizados, preguiçosos, etc., etc. Além disso, não podemos descuidar de como reagimos quando somos confrontados pela vida e nossos desejos ou opiniões. Estamos sempre aborrecidos porque parece que a vida e as pessoas nunca atendem mesmo as nossas expectativas. Esquecemos, todavia, que nem as pessoas e nem a vida estão aí para isso.
Desta forma, se pudermos compreender a razão de nossas dores se tiver mais fé e mais resignação frente às vicissitudes e contrariedades, podemos voltar a ficar alegre, o que nos leva para o estado de saúde espiritual e, por consequência, física. Estaremos entrando num processo de desintoxicação espiritual, liberando as energias negativas represadas na alma, sem a necessidade da dor para nos ajudar.
Estes ensinamentos devem ser repassados a todos que o necessitarem, na medida do entendimento de cada um, pois nenhuma cura acontecerá fora dessas premissas. Os médiuns e o trabalho de cura apenas apontam caminhos, ensinam e equilibram a pessoa na medida do possível. 
Já, a cura, depende de cada um.